quinta-feira, 28 de maio de 2009

Ele me disse mais ou menos isso:


"Porque você se protege tanto e acaba se colocando em risco?"


***
A Casa Na Montanha

Leoni

Eu fiz bem lá no alto da montanha
Mais alta, mais distante das cidades
A casa-esconderijo das saudades.
Pensei: nenhum problema mais me alcança.

Nem cartas, nem notícias, nem desgraças,
Nem dívidas, nem falsas amizades
Vão ter nem ousadia, nem vontade
De vir me ver.
já nada me ameaça.

Mas, eu só percebi quando era tarde
Depois que eu acionei os meus alarmes,

Depois de por a tranca no portão,
Que eu me tranquei sozinho com o inimigo
Que vai passar a vida aqui comigo
Vivendo do meu medo e solidão.


***

Será?

terça-feira, 26 de maio de 2009

Agora é só lembrar...

Este faz um mês que eu escrevi... e está inacabado, acho que permanecerá assim:

Ontem eu tive vontade de ouvir o telefone tocar
Desejei ouvir tua voz
Ontem eu quis não mais que saber de você
Ontem eu não senti paixão
Nem amor desenfreado

Ontem eu não quis tuas mãos a me tocar
Não quis teus olhos me fitando
Muito menos ouvir tuas promessas

Ontem eu quis apenas ser tua amiga
Eu quis amar outra pessoa,
Eu quis corresponder a um desejo
Quis dar uma oportunidade a alguém,
Mas não fiz isso,
Não agora, ainda não...

Eu lembrei de enganos,
Reforcei conceitos,
Vi um filme,
Chorei, e sorri

Eu quis ter mais do que tenho,
Mas me conformei,
E confortei.

E posso agora olhar pra você,
Sem sentir nada além de amizade
E forte saudade

Quando você segurou minhas mãos,
E disse que era o melhor
As minhas lágrimas não eram pelo que eu ouvia,
Chorei por olhar tuas mãos nas minhas,
E sentir, a plena certeza, de que aquela... era a última vez
...(falta algo)...
Hoje sinto-me estranhamente em paz
É só o que quero
Estar bem, mesmo sem ter você
Amar a vida, ainda que sem você.
*****

Bom, ainda não sei definir o que sinto, certos dias é calma, outros agitação, às vezes tristeza, outras até alegria de ter sido bom e terminado consideravelmente bem...
Você disse que eu fui a exceção. Fiquei lisonjeada. Bom saber que fui importante, diferente. Eu tenho tentado cultivar por você um outro amor, até mais puro, e bem, bem mais brando.

Sabe, eu sei que vamos ficar bem... nós vamos...

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Para mim?!?!


Que emoção! Recebi um selo!

Logo eu, que ao fazer o blog, não tinha mesmo a intenção de receber visitas(embora tivesse o desejo). Nem mesmo tinha a pretenção de que alguém olhasse com bons olhos qualquer um dos meus pensamentos tortos.


Quem me passou o selo foi a Flor, que me parece uma menina muito sabida, mas o que ela não sabe, é que ela me obrigou a aprender a usar o blogspot, porque nem aplicar o link eu sabia(não é pra rir!).

E eu, que comento pouco em outros blogs, terei que escolher 7 blogs para repassá-lo. Ou seja eu terei que enviar o selo para blogs que nunca me visitaram, mas que eu visito com frequencia(que saudade do trema!).


Diz assim: Esse prêmio é destinado aos blogs que “demonstram talento, seja nas artes, nas letras, nas ciências, na poesia ou em qualquer outra área e que, com isso, enriquecem a blogosfera e a vida dos leitores.”


As regras são:


1 - O premiado deverá expor o selo no seu blogue atribuí-lo a 7 outros blogs que considere merecedores.



2 - O premiado deverá responder à seguinte pergunta:

O que significa para si ser um Homo sapiens?


Que perguntinha danada. Acho que é ter nascido na mais incrível e mais desgraçada das espécies. É ter tudo e não fazer nada com tudo que tem. Ter muitas chances, e nem sempre perceber isso. É errar, mudar, transformar... algumas vezes destruir... e sempre, sempre, sempre...de qualquer maneira... AMAR.

sábado, 23 de maio de 2009

Pois é...


quarta-feira, 13 de maio de 2009

Saudade é só mágoa por ter sido feito tanto estrago

É, é verdade...foi feito tanto estrago.
"o que me dá raiva não é o que você fez de errado, nem seus muitos defeitos, nem você ter me deixado. O que me dá raiva, são as noites e os dias de sol... e o que eu tinha sonhado pra nós... seu abraço protetor, é o que vai me faltar, o que fazer do meu amor?"

O que sei, é que eu não vou fazer nada. Não vou mais alimentar esse amor, vou deixar ele morrer e restar algo bonito. Vou te empurrar pro canto da amizade no meu coração, nem que pra isso eu tenha que me esgotar. Mas esses dias achei um poema, feito do meu jeito torto, eu nem me lembrava mais dele, mas eu sabia que certamente foi pra você...

A tua simplicidade de alma
É um presente divino,
Que me encanta e acalma

Eu, por hábito complexa
Aliviei-me por te ver e te sentir
Por observar tua simples maneira de viver
Sem subjetivar a vida
Despido de filosofias
Há em ti uma admirável ausência de metafísica

E assim, me encantas
E colore meu dias cinzas
E os fazem mais escassos
Estes dias todos com gosto de nada
És intensidade, que me prova:Estou viva!
Sou tua
Amo-te profunda e verdadeiramente
Com razão e com loucura
Não gosto desses altos e baixos
Mas ao menos tu me elevas
Enquanto a vida me rebaixa
Enquanto o mundo me confunde
Tu simplificas
Tu me mostras
Que não precisas entender
Apenas... viver!